Vereadores visitam Missão Belém e expõem preocupações

Em busca de soluções às preocupações da população, vereadores procuram instituição no Maracanã

Um grupo de vereadores de Jarinu visitou, na manhã da segunda-feira, dia 15, o Sítio São Miguel Arcanjo, no bairro do Maracanã, onde funciona o projeto de acolhimento da igreja católica, Missão Belém.

Os vereadores foram recebidos em resposta a um ofício enviado à instituição, respondido pelo padre Giampietro Carraro, responsável e idealizador da Missão Belém. A reunião aconteceu em uma das 46 casas de acolhimento existentes no município e participaram, além dos vereadores e do padre Giampietro, voluntários e advogados da instituição.

Os vereadores expuseram aos presentes suas preocupações em relação ao projeto, fruto de uma série de reclamações e receios da população, principalmente de moradores e comerciantes das regiões do Maracanã e do Centro de Jarinu.

Foram apresentados dados sobre o crescimento de delitos, inclusive com um caso recente de estrupo e roubo a ônibus, assim como o aumento de moradores de rua no município e uma maior demanda por medicamentos e atendimentos na Saúde Pública jarinuense.

Os vereadores falaram sobre um possível descontrole em relação às pessoas, em grande parte usuários de drogas retirados da cracolândia, na capital do Estado, que acabam perambulando pela cidade, após desistirem do tratamento oferecido pela instituição. 

O padre Giampietro explicou que a Missão Belém não é uma clínica de recuperação e sim uma casa acolhedora, por isso não pode obrigar qualquer pessoa a ficar em suas dependências ou receber tratamento.

Explicou que as pessoas em situação de rua, em São Paulo, são convidadas a irem para a casa de acolhimento daquela cidade e, depois de cerca de quatro dias, são encaminhadas – se assim quiserem – para um dos sítios mantidos pelo projeto.

O religioso também admitiu não ter um controle sobre a entrada e saída destas pessoas e que os que desejam ir embora, são levados até uma estação e recebem dinheiro para voltarem às suas localidades de origem, o que nem sempre acontece.

O padre falou que havia promessas de ajuda com remédios vindas do Governo do Estado, mas que não se concretizaram, assim como um projeto de instalação de um ambulatório próprio, que também acabou não acontecendo.

Os vereadores pediram aos responsáveis pela instituição, que está em Jarinu deste 2.005, que se crie mecanismos de cadastramento dos atendidos e que os mesmos sejam disponibilizados às autoridades policiais e médicas de Jarinu. Tal proposta foi aceita pelo padre que se propôs a estudar, e apresentar, algumas soluções.

Também ficou acordado que os vereadores fariam visitas periódicas às casas de acolhimento e cobrariam dos dirigentes, assim como de outras esferas e autoridades, fiscalização sobre os acolhidos que desistem de receber o tratamento.

Missão Belém

A Missão Belém foi idealizada pelo padre italiano Giampietro Carraro depois que este se dispôs a viver um dia nas ruas de São Paulo. Hoje está em quatro países e conta com 146 casas de acolhimento – 46 em Jarinu.

Os moradores de rua e dependentes químicos são encaminhados à uma casa em São Paulo e, para aqueles que desejarem, trazidos para Jarinu onde receberam acompanhamento espiritual, tratamento e reinserção social através de capacitação profissional.  

Em 10 anos o projeto afirma ter atendido mais de 45 mil pessoas. Atualmente em Jarinu existem cerca de mil acolhidos.


Publicado em: 16 de maio de 2017

Cadastre-se e receba notícias em seu email

Compartilhe

Compartilhe no Facebook Compartilhe no Twitter